Viver devagar...

Sabem... Eu sinto-me enganada com esta história da vida adulta... 
Sim, é utópico... mas quando, em criança, pensava em crescer, era para uma coisa melhor... Era para fazer o que queria, quando queria... Via o crescer como sinónimo de ter tempo, de ser feliz sem hora nem lugar marcado, eventualmente na "minha" casa de campo... Havia a altura do dia em que era a hora de ir trabalhar, mas sobrava tempo para voltar a casa, sentir a casa, absorver, respirar os filhos, brincar, ajudar nos trabalhos de casa, tratar do banho, orientar o jantar enquanto se conta uma história, mesmo na mesa da cozinha...
Ou então calmamente, com as crianças a correr no campo, ainda com raios de sol a acompanhar, estender a roupa ao ar livre, e vê-la a esvoaçar ao sabor da brisa...
Lembro-me tão bem destes meus pensamentos... Do querer ser grande para viver tudo isto... E sim, sinto-me enganada...
A realidade dos dias não é essa... pelo menos não a realidade dos meus dias... Não vou dizer que sou infeliz, que não gosto de nada da minha vida, não vou dizer nada disso, pois também não estaria a ser honesta... nem comigo, nem com ninguém... Mas uma coisa é certa... Se fosse possível, pegava na minha família e levava-a para esse sítio calmo do meu imaginário, da casa de campo com horta e quintal relvado, com roupa no varal e cadeiras de baloiço no alpendre... Com cães a correr desenfreados e com as crianças a brincar felizes... E com tempo para todos, para os sentir... para os perceber... E eles também com tempo, sem estarem sempre a ser pressionados pelo "anda lá, despacha-te" do costume...

Estes dias que tenho pensado nisso, e na forma que a realidade acaba por ser diferente de tudo o que imaginamos, passei pela SLOWER (uma plataforma colaborativa sobre a vida mais devagar, simples e sustentável)... penso que por uma partilha da Mel sobre o assunto, mas já não tenho bem a certeza...

Da SLOWER retirei alguns excertos, que vou partilhar agora de seguida, mas a ideia é transcrevê-los para a minha agenda/caderninho/sítio onde tenho escrito coisas que leio e me fazem sentido...

Ora vejam lá se não faz sentido:
A essência do “slow living” ou de “viver devagar”. Não se trata de velocidade, mas, sim, da presença que pomos no que fazemos. Uma coisa de cada vez: com entrega, evitando o multitasking. Mas também ter presente que “menos é mais” e que há alturas em que o melhor que podemos fazer é parar e cuidar da nossa energia.Só assim temos a capacidade de aproveitar os dias ao máximo e dar o nosso melhor a cada momento. Seja com amigos, seja nas férias, seja, também, nos mais chatos ou dificeis. Porque, sem estes, os momentos bons não o seriam, da mesma maneira que também não há noite sem dia ou verão sem inverno.Viver devagar é presença e atenção, que se traduzem em amor. Por nós, pelos outros, pela natureza e pela vida à nossa volta. É estar de olhos bem abertos e gozar o presente que é estar aqui.
THERE IS MORE TO LIFE THAN INCREASING IT’S SPEED
Mahatma Gandhi
SE QUERES IR RÁPIDO, VAI SOZINHO. SE QUERES IR LONGE, VAI ACOMPANHADO.
“A riqueza de um homem é proporcional não ao número de bens que ele pode possuir, mas ao número de coisas a que ele pode renunciar.”

Fica a ideia de, pelo menos alguns minutos, "ser inteira" naquilo que faço, principalmente com os meus... (Pessoa sabia o que dizia...)

Põe quanto És no Mínimo que Fazes
Para ser grande, sê inteiro: nada
          Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
          No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
          Brilha, porque alta vive
Ricardo Reis, in "Odes"
Heterónimo de Fernando Pessoa


Para terminar este post, que já vai longo, ficam algumas imagens de casas de campo que cabiam perfeitamente no meu imaginário...













Até breve!

Ps. todas as  imagens foram retiradas do google images(pesquisei por casa de campo e estas fizeram-me sentido) caso seja necessário retirar alguma, pf. informem. Obrigada.

Comentários

  1. Sabes que partilho do mesmo sentimento... e podia ter sido eu a escrever este texto!!
    esperemos que quando vier o tempo melhor ajude a nós e aos miúdos!!
    o sol faz-me tanta falta!!!!
    bjosss does!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que sim... Este tempo também não ajuda muito a ficar animada e a ter a energia necessária para chegar onde é preciso...

      Eliminar
  2. Eu percebo o que dizes. Às vezes dou por mim "escrava" desta vida do corre-corre, do anda de um lado para o outro, da lista interminável de coisas a fazer e... depois, onde está o tempo para o básico? Esfuma-se! Mas verdade seja dita: há contas para pagar, há um sem fim de coisas que não esperam por uma vida mais calma... Viver no "agora" é por vezes tão difícil e deixa-nos com sentimentos tão antagónicos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo isso... Não se pode esperar pela "altura certa", ou pelo "mais calmo"... O que idealizamos pode nunca acontecer... Prefiro arrepender-me do que faço, do que ficar a pensar "como seria se tivesse feito"...
      É preciso viver o presente, mas é difícil não pensar que "amanhã, para o ano ou daqui a uns anos é que será bom"... pode não chegar...
      Beijinhos e obrigada pela visita!

      Eliminar
  3. É tão verdade o que escreves. Por mais que se tente fazer, o tempo foge, e com as rotinas com as crianças ainda é pior. Dou por mim a deitar a minha filha mais tarde para a poder aproveitar mais um bocadinho. Era tão bom podermos viver essa vida "utópica"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo isso... Fica sempre a sensação de faltar qualquer coisa (ou muita coisa)... às vezes é difícil chegar a todos os lados...
      Beijinhos!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares